Entrevista: 7 dicas para arrasar!

Entrevista: 7 dicas para arrasar!

 

No último artigo eu falei sobre metodologias e conceitos importantes que você deve ter noção que irão te ajudar muito num processo de entrevista.

 

Sabendo deles, neste artigo vou te dar dicas essenciais que, se aplicadas corretamente, vão com certeza deixar o seu entrevistador muito satisfeito com você. Lembre-se que conseguir uma entrevista hoje em dia é uma oportunidade única que não deve ser desperdiçada.

 

Essas dicas são de mais de 14 anos de experiência de R.H., como também de muito networking: o que ouço de diversos recrutadores experientes no mercado, o que os incomodam e o que os conquista. Vamos lá?

 

Dica 1: Prepare-se

 

Não vá para a entrevista sem saber nada sobre a empresa. Pesquise tudo o que puder sobre ela: seus produtos, mercado que atua, etc. Se tiver dúvidas, essa é a hora de anotá-las e levá-las com você.

 

Mostrar que tem conhecimento sobre a empresa e ao mesmo tempo tirar dúvidas pertinentes (de acordo com o cargo que almeja), demonstra interesse. No meu artigo anterior falo sobre isso com mais detalhes (link ao final do texto).

 

Dica 2: Seja pontual

 

O brasileiro tem em sua cultura, infelizmente, uma tremenda falta de pontualidade. NÃO seja um desses, ainda mais num processo seletivo!

 

Pesquise o local da entrevista (já durante a dica 1) e o melhor trajeto para comparecer com 10 a 15 minutos de antecedência. Assim você vai evitar imprevistos e fará com que tenha tempo para relaxar um pouco antes e tomar uma água.

 

Mas se por uma infelicidade acontecer um grande imprevisto que vai fazer com que chegue atrasado, ligue para o recrutador. Explique claramente o motivo e de uma boa estimativa de quanto tempo você vai precisar para chegar. Sem isso vai parecer que você não tem o mínimo de planejamento e pior, que não tem interesse na vaga.

 

Dica 3: Apresentação pessoal é tudo

 

Você deve vestir-se adequadamente para a ocasião. Lembre-se que a primeira impressão é a que fica! Tenha cuidado com o cabelo, unhas e perfumes exagerados. Escolha roupas mais formais de acordo com o seu estilo ou do ambiente da área de atuação. Não use cores extravagantes.

 

Entrevista é como um primeiro encontro. Imagine para o entrevistador receber alguém com a aparência descuidada: “Se ele mal cuida de si mesmo, como vai cuidar das suas tarefas/funções/etc?”.

 

Ah, sorria! É uma entrevista e não um interrogatório! Sorria ao ser apresentado, durante o processo e ao se despedir. As empresas querem profissionais e não robôs.

 

Dica 4: Não toque no celular

 

Sério, parece inacreditável o que vou dizer, mas ainda em 2018 as pessoas tem o vício de não desgrudar dos seus celulares durante uma entrevista!

 

Pode ser uma coisinha rápida, nada demais, checando uma notificação entre uma pergunta e outra, mas é o bastante para mostrar que você NÃO está interessado.

 

Lembra que falei que é como um primeiro encontro? Ou você dá atenção para o recrutador ou para o celular, os dois não! Se for o caso de um problema pessoal, explique logo que talvez precise atender um chamado de urgência durante a entrevista. Se não for o caso, deixe o celular bem guardado e totalmente silencioso.

 

Dica 5: Controle a ansiedade

 

Se leu meu artigo anterior, viu que as entrevistas usam um modelo estruturado em “por competências e comportamentos”, usando perguntas “abertas” que irão te levar a falar sobre você. Neste momento, tente controlar a ansiedade, você precisa estar preparado para falar sobre si mesmo, mas sem falar demais nem se prender a detalhes. É um momento em que você pode ouvir: “por que você deve ser escolhido”?

 

Você deve falar sobre o seu potencial e de sua carreira de forma mais estruturada. Mostre ao recrutador a sua importância, contando suas conquistas e realizações em empregos anteriores. Mostre suas competências técnicas e comportamentais em situações adversas passadas que ajudou a resolver. Mostre resultados conquistados!

 

Evite ao máximo falar da vida pessoal e motivos de ter saído de empresas anteriores, a não ser que seja diretamente perguntado. Não preciso nem falar para evitar futebol, política e religião, não é? E claro, nunca mentir.

 

Dica 6: Saiba “se vender”

 

Em uma entrevista de emprego, todo candidato de uma forma ou de outra vai tentar “se vender” para o recrutador. Ele vai mostrar suas qualidades e possíveis competências que a empresa almeja para a vaga.

 

Sabendo disso, lembre-se que há meios de se fazer isso. Ninguém gosta de um vendedor que só sabe elogiar um produto sem dizer os benefícios do mesmo, não é? Por isso ficar elogiando a si mesmo não é nada bom.

 

O que acontece é que ficar elogiando a si mesmo denota um tom narcisista e, ao invés de mostrar competência através de resultados, acaba mostrando arrogância. É praticamente a mesma coisa com currículos: ficar dizendo que é “criativo, dedicado, proativo, etc”, não diz nada de bom, no máximo o que você pode parecer é ingênuo ou, pior, prepotente.

 

Seja eficaz e direto e nunca menospreze o recrutador. Saiba se vender de forma clara e inteligente, usando como exemplos histórias reais dos seus empregos passados (por isso expliquei a estrutura das perguntas e respostas no artigo anterior).

 

Dizer que fazia além das metas com sua proatividade nem se compara com “após cumprir 100% das minhas tarefas, me dirigia ao meu superior e perguntava o que mais eu poderia fazer para ajudar a equipe, conseguindo cumprir ainda mais 40% além do que era me pedido, ajudando várias vezes meu superior quando a equipe por algum motivo estava defasada”.

 

Dica 7: Como falar sobre “pontos fracos”?

 

Isso é algo que muita gente ainda não sabe lidar numa entrevista. Quando o recrutador quer saber sobre o que o candidato precisa desenvolver (“pontos fracos”), normalmente faz perguntas sobre avaliações de desempenho ou feedbacks que o candidato tenha recebido.

 

Quando um entrevistador perguntar a você sobre que pontos você acha que deve melhorar, ou o que relatavam sobre seu desempenho em feedbacks anteriores, ele não está querendo respostas vagas ou aquelas super batidas… “Ah…eu sou perfeccionista”… por favor, né? Rsrs

 

Ele quer saber se você tem autoconhecimento, se tem noção de quem é, como está e o que precisa REALMENTE melhorar. Como eu disse, não menospreze o entrevistador. Mostre de verdade os pontos que está focado em melhorar, em desenvolver e o que está fazendo para isso acontecer. Como tudo na entrevista, seja franco, mas objetivo, sem trazer questões emocionais a tona para não se atrapalhar.

 

A sua “fraqueza” não pode parecer um “peso”, é apenas um ponto a desenvolver. Como exemplo, se você for prolixo e tiver a mania de começar a falar e se perder, diga que é prolixo e está trabalhando na sua assertividade, não precisa contar exemplos embaraçosos.

 

O importante é que o recrutador veja que o problema está sendo superado e não vai de forma alguma interferir no seu trabalho.

 

Com Carinho,

Ingrid.

 

P.S.: Leia o artigo anterior e saiba todos os conceitos, a metodologia usada pelas empresas nas entrevistas e como estruturar melhor suas respostas com o modelo S.T.A.R.! Basta clicar AQUI!

 

Menu

Contatos

© Copyright 2017 | Ingrid Siggelkow® | Todos os Direitos Reservados

Redes Sociais